Em Costas Negras

Manolo Florentino

Em Costas Negras

Prêmio Arquivo Nacional de Pesquisa de 1993, esta obra, de Manolo Florentino, está entre as que mais contribuíram para a significativa revisão pela qual passou o tema tráfico de escravos a partir dos anos 1980.

Ao trazer à luz dados e formulações negligenciados ainda hoje por clássicos da historiografia brasileira, o autor desvenda a estrutura política, social e econômica que, tanto no Brasil quanto na África, possibilitou ao país tornar-se o maior importador de escravos das Américas entre os séculos 16 e 19, período em que recebeu cerca de 10 milhões de negros.

Donos de negócio da tal monta, os mercadores de escravos ascenderam ao topo da pirâmide social, de onde, nos séculos 18 e 19, influenciaram de modo decisivo o Estado brasileiro.

Ao questionar as explicações clássicas para a enorme migração compulsória que por mais de três séculos uniu a África e o Brasil, o autor parte para uma leitura cuidadosa de documentos históricos, submetendo listagens de navios negreiros, inventários post-mortem e registros imobiliários a uma aplicada metodologia estatística para vincular, de forma definitiva, o comércio de almas à demanda crescente de mão-de-obra da economia fluminense.

Florentino prova que nenhuma outra região americana esteve tão ligada à África por meio do tráfico como o Brasil – a segunda maior área receptora de escravos negros, as colônias britânicas no Caribe, recebeu pouco menos de metade da quantidade de africanos que desembarcou no Brasil.

E demonstra que o vigoroso comércio atlântico de almas era o principal instrumento de viabilização da reprodução física dos escravos no Brasil, a qual era necessariamente precedida pela produção social do cativo na África.

Naquele continente, explica, o processo era marcado por duas dimensões, uma delas social – a cristalização da hierarquia e das relações de poder – e outra econômica stricto sensu. Esta última relacionava-se à forma pela qual se dava a produção do cativo (a violência), que possibilitava o baixo custo do fluxo de mão de obra.

Desse último aspecto derivava, na esfera da demanda brasileira, a disseminação tanto da propriedade escrava quanto do exercício de uma lógica empresarial em princípio bastante reificadora. “O tráfico atlântico passa a ser afro-americano por definição, não porque signifique uma migração forçada de africanos para a América, mas sim e principalmente porque desempenha funções estruturais nos dois continentes”, escreve Florentino.


Acesse aqui

Detalhes do livro

Detalhes do livro

Veja abaixo alguns detalhes e características deste livro. Aproveite para indicar ou não indicar a obra, ajudando assim toda a comunidade leitora.

IdiomaPortuguês
EditoraUNESP
LançamentoFri Dec 19 2014 19:00:00 GMT-0500 (EST)
ISBN-108539305577
ISBN-139788539305575
FormatoCapa comum
Páginas307
Clique para ver o preço na
Arquivo PDF

Resumo do Livro em PDF

Quer salvar o resumo deste livro em PDF? Simples, clique no botão abaixo e salve o arquivo em seu computador. Lembrando que você pode distribuir este arquivo livremente sempre que quiser.

Salvar PDF

Nota ao autor: fique despreocupado pois somos totalmente contra a pirataria. Os resumos disponibilizados aqui ajudam o leitor a conhecer um pouco do seu livro e por fim incentivam a compra, te possibilitando um marketing gratuito e alavancando suas vendas. Caso queira entrar em contato conosco utilize o link no rodapé da página.

Se inscreva no nosso canal no Youtube.

Assista as vídeo resenhas do nosso canal

Selecionamos alguns livros que você gostaria de ler e comentamos sobre eles no YouTube. Confira!

Manual da Fossa <br />(Mica Rocha)

Manual da Fossa
(Mica Rocha)

Veja o vídeo
Casei-me com um morto (Cornell Woolrich)

Casei-me com um morto (Cornell Woolrich)

Veja o vídeo
A Parte que Falta <br />(Shel Silverstein)

A Parte que Falta
(Shel Silverstein)

Veja o vídeo
Apegados (Amir Levine e Rachel Heller)

Apegados (Amir Levine e Rachel Heller)

Veja o vídeo
O Gerente (Carlos Drummond de Andrade)

O Gerente (Carlos Drummond de Andrade)

Veja o vídeo
Sempre faço tudo errado quando estou feliz (Rachel Segal)

Sempre faço tudo errado quando estou feliz (Rachel Segal)

Veja o vídeo
O que o sol faz com as flores (Rupi Kaur)

O que o sol faz com as flores (Rupi Kaur)

Veja o vídeo